Fanáticos religiosos aceitam ser crucificados para provar a fé nas Filipinas. Veja o vídeo



Nas Filipinas os cristãos extremistas se autoflagelam para sentir na pele a dor de Cristo

     Durante a Semana Santa um grupo de fanáticos religiosos das Filipinas se autoflagelam e até aceitam ser crucificados para “sentir” a mesma dor de Cristo.

    A reportagem foi ao ar com exclusividade pelo Domingo Espetacular no último dia 12, mostrando a caminhada de autoflagelação e até o ritual de crucificação.

   Muitos desses participantes são católicos que levam a devoção ao extremo, castigando o próprio corpo. Eles caminham por duas horas, sozinhos ou em grupos, se chicoteando até sangrar ou até não aguentarem mais.

   As cenas são fortes, mas não se comparam com as cenas dos que aceitam serem crucificados, com pregos nas mãos e nos pés. Eles acreditam que dessa forma o corpo e alma serão purificados.

Confira a reportagem no vídeo a seguir:


OLHANDO PARA A BÍBLIA

     Todos os estudantes das religiões e os bons observadores sabem da ênfase dada pelo Catolicismo as cerimônias e rituais. Mesmo que a igreja Católica declare que não aceita tal cerimônia, o que ela tem feito para impedir tal ato de autoflagelamento em massa?

     Esta cerimônia que ocorre nas Filipinas nada mais é do que uma demonstração do que acontece pelo redor do mundo, onde pessoas levadas pela ignorância de Deus, buscam formas desesperadas de agradá-lO ou de chamar sua atenção, realizando esse tipo de loucura consigo mesmas, sem saberem que o maior sacrifício já foi realizado em nosso lugar.

     Se a religião católica realmente os ajudasse eles saberiam que não é mais preciso executar cerimônias de autoflagelamento ou de sacrifícios para agradar a Deus. Nosso sacrifício requerido pelo Senhor é um culto espiritual, feito com entendimento e santidade (Rm 12. 1, 2).

     Os sacrifícios de animais (e inclusive os humanos) não tem o poder de purificar ninguém (Hb 9. 9). Foi por isso que Jesus veio cumprir a Lei e Se entregou em um sacrifício de Si mesmo na cruz, ao morrer em nosso lugar (1Pe 3. 18). Isso Ele fez para nos purificar (Hb 9. 11-15). Este sacrifício foi eterno e perfeito (Hb 7. 26-28; 10. 1-12), ou seja, não é mais necessário ninguém sofrer ou fazer um animal sofrer em seu lugar para alcançar o perdão de Deus e ser purificado, pois “o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado” (1Jo 1. 7). O sacrifício de Cristo tem eficácia e valor eterno para aqueles que O aceitam como seu Salvador e Substituto (Hb 10. 14).

     É o sangue (isto é, o sacrifício) de Cristo que nos dá acesso a Deus e não o nosso próprio sacrifício, votos, promessas e sofrimento. Não temos como pagar por nossos próprios pecados o preço que Deus requer. Nada que façamos ou ofereçamos irá chegar a ser satisfatório para Deus (Is 64. 6). Não temos como comprar nossa própria salvação, pois somos indignos por natureza (Sl 49. 6-10). Somente Cristo pode pagar esse preço por nós (Mt 20. 28; Rm 3. 24; Ef 1. 7; Tt 2. 14; 1Pe 1. 18, 19).

    Em todo momento Cristo intercede por nós e nos perdoa sempre que nos arrependemos e tentamos acertar (1Jo 2. 1, 2). Nosso objetivo deve ser o de obedecê-lO e segui-lO. Ele nunca pediu que alguém O imitasse indo para uma Cruz, pois Ele mesmo disse que “para onde eu vou (a cruz), não podeis vós ir” (Jo 8. 21, 22; 13. 33).

     Se o catolicismo deles adiantasse, e se a igreja católica realmente os ajudasse, eles estariam agindo totalmente diferente. Infelizmente eles não sabem que estão fazendo “sacrifícios de tolos” (Ec 5. 1) e perdendo o seu tempo (Is 66. 3).

     Oremos pelos povos das Filipinas e os outros povos que, assim como eles, tem sido escravos da ignorância devido a uma religião que os aprisiona na superstição ao invés de lhes libertar para a verdadeira fé. Eles precisam entender que Cristo já sofreu por eles o que eles estão sofrendo inutilmente.

Fonte: Gospel Prime

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Jovens Cristãos: 20 Consequências da Masturbação