Páscoa: 10 coisas que você não sabe sobre ela (Traduzido e adaptado da revista TIME, de Nova York)

  travessia do mar

     Páscoa, a festa judaica que comemora a história dos antigos israelitas que foram libertados da escravidão no Egito, é agora, 19 de abril. E nos milhares de anos desde a sua libertação, os judeus têm o feriado comemorado de muitas maneiras. A revista TIME, dos EUA, lança um olhar sobre algumas coisas que você  pode não saber sobre estas comemorações da Páscoa
 
     Encontramos este interessantíssimo artigo da famosa revista TIME (“Tempo”, em inglês) dos Estados Unidos e traduzimos, com algumas adaptações para nossos amados leitores. Nosso objetivo é edificar e informar. Sobre a origem da páscoa que é celebrada com ovos e o coelhinho, você pode ver clicando aqui.
  
   1. Chicote e alhos. A tradicional canção pascoal, cantada pelos judeus, chamada "Dayenu" significa literalmente "teria sido suficiente" e lista os 15 milagres e maravilhas (como a abertura do Mar Vermelho), ocorridos em favor do povo judeu, operados por Deus no livro do Êxodo. A ideia de que cada bênção seria suficiente por si só, mesmo sem maiores ou mais poderosas bênçãos, é um tema central durante o feriado.

     "Dayenu" é cantada por toda a diáspora durante o séder (a festa), mas os judeus sefarditas do Irã e do Afeganistão têm um costume especial de comemorar em que eles chicoteiam uns aos outros com cebola e alho. Antes que a canção comece, cada participante fica em pé, e com uma cebolinha  começa a bater os outros membros da festa. Em algumas famílias, uma cebolinha é passada ao redor da mesa, enquanto cada pessoa seguinte toma chicotadas em revezamento. Há algum debate sobre onde o costume se originou. Muitos acreditam que é uma maneira de imitar os chicotes dos condutores de escravos no Egito. Mas outros dizem que é uma referência à Bamidbar (ou seja, livro de Números) 11:5-6, uma passagem que descreve os israelitas com 'saudade de cebolas do Egito ao comer o maná durante seus 40 anos vagando no deserto. Os participantes chicoteiam uns aos outros como uma forma de repreensão para que ninguém venha desejar qualquer aspecto de sua vida de escravidão no passado. 

2. Atravessando o mar vermelho
 
     Na cidade polonesa de Gora Kalwaria, os judeus hassídicos comemoram a Páscoa reencenando a travessia do Mar Vermelho. Para torná-la tão realista quanto eles podem, derramam água no chão, levantam os seus casacos e recitam os nomes das cidades que atravessam. Além disso, certificam-se de levantar um copo a cada menção de uma cidade, enquanto dão graças e adoram a Deus por chegar ao seu destino. 

3. Páscoa na Etiópia
 
     Muitos judeus etíopes, que há centenas de anos sofreram a perseguição no seu país devido a seus ritos religiosos, deixaram a Etiópia em duas pontes aéreas secretas nos anos de 1984 e 1991. Durante a Páscoa, para comemorar o seu passado e celebrar a renovação, alguns judeus etíopes quebram todos os seus pratos e panelas e fazem outros novos. A tradição está em sintonia com a esperança de emancipação e de redenção que o feriado significa. 

4. O segundo “Seder” (dia de comemoração, festa).
 
     A primeira noite da Páscoa é considerada a cair no dia 15 de Nisan, segundo o calendário hebraico, que é quando a lua é nova e tem início a primavera. Mas a data foi originalmente baseada no ciclo lunar, que criou um relógio ligeiramente diferentes para os judeus fora de Israel, quando a tradição foi instituída há mais de 2.000 anos atrás. Autoridades em Jerusalém proferiram a data anual, mas demorou dias a fio para a palavra oficial, que se espalhou pelo mundo. Em um esforço para assegurar que a comunidade judaica internacional não perdesse o sétimo crucial na festa da Páscoa, que comemora a despedida icônica Moisés do Mar Vermelho, um oitavo dia foi adicionado à celebração, no caso de a lua nova ter sido mal calculada. 

     Embora os calendários e métodos modernos de comunicação têm esclarecido qualquer confusão potencial, Yom Tov Sheni, que significa aproximadamente "o segundo dia do feriado," ainda é comemorado no exterior pelos ortodoxos com tradições conservadoras quando uma segunda festa é realizada. A Reforma do Judaísmo aboliu o oitavo dia em 1846, pois os métodos de comunicação tornou isso redundante. 

5. A páscoa e os “Rugrats” (No brasil é “Os anjinhos”, que era exibido no SBT).
 
     Em um episódio da série transmitido em 13 de abril de 1995, Tommy Pickles (com um solidéu firmemente plantado sobre a sua cabeça careca), Angélica e Chuckie aprendem a história do Êxodo, quando se vêem presos no sótão com vovô Boris durante o seder da família. Como a história continua, os bebês se imaginam nos papéis dos personagens bíblicos. Tommy é Moisés, Chuckie aparece como um dos escravos israelitas oprimidos ​​e, apropriadamente, Angélica está escalada como o faraó do Egito. Na época em que foi ao ar, o episódio foi o episódio mais visto na história do Nickelodeon (canal de TV a cabo), mas em 1997 foi suplantada por uma outra Rugrats especial chamado "A Turquia Who Came to Dinner" (Um turco que veio para jantar), sobre ação de graças. 

6. A Coca-cola na páscoa judaica
 
     Se você percebeu garrafas de Coca-Cola com tampas de cor amarela serem comercializadas cada mês de março e abril, o que você está vendo é o resultado de um mercado em expansão. Os judeus não comem produtos à base de trigo, milho ou muitos outros cereais durante os oito dias da Páscoa. Os refrigerantes industrializados possuem grandes doses de ingredientes a base de milho e vestígios de álcool de cereais, são proibidos. 

     Os observadores da Páscoa em Atlanta tem um rabino ortodoxo, Tobias Geffen, para agradecer. Em 1930, Geffen recebeu famosa lista secreta de ingredientes da Coca-Cola e conseguiu convencer a empresa a criar uma alternativa de açúcar para a sua congregação. "Porque a Coca-Cola já foi aceita pelo público em geral neste país e no Canadá e porque se tornou um problema insuperável para convencer a grande maioria dos judeus que se abstenham de participar desta bebida, eu tenho tentado ardentemente encontrar um método de permitir seu uso ", disse ele. 

     De acordo com uma das certificadoras Kosher dos judeus, a Coca-Cola estará sem ingredientes proibidos estará disponível este ano na Páscoa em toda a área metropolitana de Nova York, Boston, Baltimore, Washington, Miami, Atlanta, Houston, Filadélfia e Los Angeles. E uma vez que alguns consumidores acham os refrigerantes de cana-de-açúcar tem um melhor sabor. Não querendo ficar de fora, outras empresas de refrigerante como a Pepsi, Sprite, Sierra Mist e muitos outros estão agora disponíveis em forma kosher para a Páscoa judaica. 

7. Haggadoth para Todos
 
     No Seder Haggadoth como alguns sedarins podem chamar - Seder em hebraico significa ordem , e Hagadá, narração.  É o livro que tentam preservar as tradições das festas  - isso não significa que você não pode ter variações sobre o tema da liberdade. Há milhares de Haggadoth disponíveis, e mesmo se você conhecer várias, não estão vinculados a algumas que você não está familiarizado. Inter, lésbicas, secular-humanista, vegetariano, um alcoólatra em recuperação? Há uma Hagadá para isso (ou seja, “Haggadah for the Liberated Lamb” eThe Anonymous Haggadah: A Synthesis of the Passover Ritual and Liturgy with the Twelve Steps of Recovery”  pode ser traduzido como “Hagadá do Livramento do Cordeiro” e “Um Hagadá Anônimo: Uma síntese do Ritual e Liturgia da Páscoa com os Doze Passos de Recuperação).
 
     Em 1946, sobreviventes do Holocausto reuniram uma sobrevivência Hagadá, na década de 1970, Mulher Hagadá O primeiro foi publicado na revista Ms.. Enquanto alguns podem preferir o Santa Cruz da Hagadá, que tem uma figura de inspiração hippie em sua capa, os outros podem, por muito tempo a imprensa dias antes da  "Aves Iluminada da Hagadá. Alguns podem se contentar com edições Maxwell House, publicados desde o início dos anos 1930. Naturalmente, você sempre pode compilar sua própria versão, hoje você pode fazer isso online, usando o Open Source Hagadá (Clique para baixar) . 

8. A placa de cor laranja
 
     A ceia da Páscoa está carregada de símbolos, muitos dos quais - como as ervas amargas (raiz forte), que representam a amargura da escravatura e do vegetal (geralmente salsa), que é mergulhado em água salgada para lembrar-nos das lágrimas dos escravos - encontram-se na placa seder. Nas últimas décadas, houve um novo alimento que progressivamente entrou em muitos pratos: a laranja. 

     Alguns podem considerar a laranja um símbolo dos direitos das mulheres, derivado de um homem, como diz a professora Susannah Heschel que "a mulher pertence ao bimah (bimah, é “tribunal”, em hebraico) [em uma posição de liderança na congregação, ou a leitura da Torá], tanto quanto uma laranja pertence a travessa do Sêder". Mas Heschel se tem dito que essa troca não ocorreu, e a laranja tem um significado diferente. Refletindo sobre quando ela acrescentou o laranja para seu prato seder na década de 1980, ela diz que era para ser comido "como um gesto de solidariedade para com as lésbicas e gays, e outros que são marginalizados dentro da comunidade judaica", incluindo as viúvas. As sementes, simbolizando a homofobia, estavam a ser cuspido para fora. Conclusão: Há espaço para mais símbolos na travessa do Sêder - e espaço para mais participantes ao redor da mesa do seder. 

9. Liberdade aos Seders (celebrantes) 
 
     Como os judeus celebram sua libertação da escravidão no Egito, os afro-americanos notam uma semelhança gritante com seu próprio passado em apuros. A Seder da Liberdade surgiu em meados do século 20 como uma celebração conjunta de ambos os grupos étnicos, e outros, geralmente união de esquerda ou lutas políticas, para se reúnem para celebrar a promessa mítica da emancipação. No auge do movimento pelos direitos civis, os negros e judeus se reuniram no seder de dividir a comida e as histórias de suas respectivas lutas, em um evento popular em universidades e centros de juventude em todo o  EUA e da igualdade, da Seder Liberdade tornou-se especialmente pungente entre outros grupos étnicos: os nativos americanos, muçulmanos e, em particular para este ano, os democracia de apoio no Oriente Médio.

10. Sobremesas da páscoa
 
     Para aqueles que observam as leis kosher para a Páscoa , os doces comidos durante a celebração devem ser feitos sem o uso de farinha por causa da proibição do chametz. Chametz, (em hebraico, fermentação), é proibido em jantares seder, o que significa que grãos como trigo, centeio, cevada, soja e aveia estão fora durante a Páscoa. Porque a carne e laticínios não podem ser ingeridos juntos durante a mesma refeição. Sobremesas seder sem usar farinha, leite e seus derivados - não é um desafio fácil para os cozinheiros. Não faria sentido, então, que as sobremesas não fossem necessariamente o ponto alto da Páscoa, mas superando seus obstáculos se tornou um ponto de orgulho para alguns cozinheiros seder que se especializam em criar sobremesas que não usam os ingredientes proibidos. Livros de receitas e dezenas de sites dedicados a ajudar os anfitriões a encontrar as receitas de sobremesas perfeitas para a Páscoa, se tornam mais sofisticados a cada ano.

     Você vai participar de algum Páscoa seder ano? Você pode comer chocolate com morangos cobertos de mel ou até mesmo um rocambole de nozes caramelizadas, praliné, todos eles feitos sem leite ou farinha de trigo - isto é, se você tiver sorte.

Mais Curiosidades (Wikipédia)
 
>> Maneira judaica de celebrar a festa da páscoa

      Esta é a ordem a ser seguida no Seder (comemoração, celebração, ritual festivo) de Pessach (páscoa, em hebraico):

  • Kadesh (קדש - santificação) - Recitação do kidush (Dt 6. 4) e a ingestão do primeiro copo de vinho.
  • Urchatz (ורחץ - lavagem) - Lavagem de mãos.
  • Karpas (כרפס) - Mergulha-se karpas (batata, ou outro vegetal), em água salgada. Recita-se a benção e a karpas é comida em lembrança às lágrimas do sofrimento do povo de Israel .
  • Yachatz (יחץ - divisão da matzá) - A matzá é partida ao meio e embrulha-se o pedaço maior e separando-o de lado para o Afikoman (Afikoman - Afikoman refere-se à matzá escondida em Yachatz ,comida ao final da refeição) .
  • Maguid (מגיד - conto) - Conta-se a história do êxodo do Egito e sobre a instituição de Pessach.Inclui a recitação das "Quatro perguntas" e bebe-se o segundo copo de vinho.
  • Rachatzá (רחצה - lavagem) - Segunda lavagem de mãos.
  • Motzi Matzá (מוציא מצה)- O chefe da casa ergue os três pedaços de matzá e faz as bençãos das matzot .As matzot são partidas e distribuídas.
  • Maror (מרור -raiz forte) - São comidas as raízes fortes relembrando a escravidão e o sofrimento dos judeus no Egito.
  • Korech (כורך -sanduíche) - Faz-se um sanduíche com a matzá, maror e charosset.
  • Shulchan Orech (שולחן עורך)- É realizada a refeição festiva.
  • Tzafon (צפון - escondido) - Aqui é comida a matzá que havia sido guardada.
  • Barech (ברך - Bircat HaMazon) - É recitada a benção após as refeições.Bebe-se o terceiro copo de vinho.
  • Halel (הלל -louvor) - Salmos e cânticos são recitados. Bebe-se o quarto copo de vinho.
  • Nirtza (נירצה - ser aceito) - Alguns cânticos são entoados e têm-se o costume de finalizar o jantar com os votos de LeShaná HaBa'á B'Yerushalaim - "Ano que vem em Jerusalém" como afirmação de confiança na redenção final do povo judeu.
>> Alguns costumes pascais dos judeus
  • É costume se estudar as leis referentes a Pessach (páscoa, em hebraico) trinta dias antes da festividade.
  • Em Israel, é fornecida farinha e outras necessidades aos pobres para que nada lhes falte em Pessach. O dinheiro para estas necessidades é originado de um imposto à comunidade.
  • Os primogênitos devem jejuar na véspera do Seder para relembrar a salvação dos primogênitos das pragas do Egito. As sinagogas costumam executar um Sium Massechet (término de estudo de uma Guemara), onde o primogênito que presencie o Sium não precise realizar o jejum.
  • Os judeus caraítas defendem que a palavra Pessach seja utilizada apenas em referência ao sacríficio , e não à festividade de Chag haMatzot.
  • Os judeus samaritanos ,que defendem a santidade do monte Gerizim continuam realizando os sacríficios pertinentes à Pessach até os dias de hoje.
  • Como não é economicamente viável jogar fora vários chametz, como por exemplo bebidas alcoólicas derivadas de cerais e de alto valor, como whisky, existe uma forma tradicional de venda do chametz, a Shetar harshaá.
     A festa cristã da Páscoa tem origem na festa judaica, mas tem um significado diferente. Enquanto para o Judaísmo, Pessach representa a libertação do povo de Israel no Egito, no Cristianismo a Páscoa, que veio a ser chamada Ceia do Senhor, representa a morte e ressurreição de Cristo, assimilando também diversos elementos como alegóricos de morte e renascimento representados pela transição do inverno-primavera que ocorre neste período. 

Fonte: Wikipédia (com adaptações) e Tevista TIME (com tradução via Google Translator e adaptações). 

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Dúvida bíblica: Qual a diferença entre alma e espírito?