Opinião: O dízimo é obrigatório para os tempos modernos?


   
     A maioria dos líderes evangélicos acredita que a Bíblia não exige que os Cristãos dizimem, de acordo com uma pesquisa divulgada pela Associação Nacional de Evangélicos, na quarta-feira.

     Cinquenta e oito por cento dos entrevistados (membros do conselho de diretores da NAE) disse que não acha que dar 10 por cento da renda para a Igreja é mandatório pela Bíblia, enquanto 42 por cento acham que sim.

     Provavelmente o texto da pesquisa explica porque a maioria dos entrevistados disse que ofertar o dízimo, uma tradição forte entre as Igrejas evangélicas, não é um dever dos fiéis.

     Dr. John Walton, professor do Antigo Testamento na Wheaton College, em Wheaton, Illinois, disse que não ficou surpreso com a pesquisa depois que viu a formulação da pergunta. Ele disse que a palavra "obrigatório" é o termo operativo.

     "As pessoas que poderiam concordar com o dízimo ainda teriam dito: ‘Pois não, mas eu não tenho certeza se eu chamaria de obrigatório,’ explicou Walton ao The Christian Post. "De volta ao velho [argumento], estamos debaixo da lei o ou da graça?"
   
     Muitos dos líderes da NAE observaram em sua resposta que, embora o dízimo seja um modelo legal do Antigo Testamento, os Cristãos do Novo Testamento devem dar de sua generosidade. A maioria esmagadora, 95 por cento dos entrevistados disseram que dão pelo menos, 10 por cento.

     "Qualquer coisa menos que isso parece ser uma resposta pouco generosa para com Deus," escreveu David Neff, editor-chefe da Christianity Today, em sua resposta.

     Dr. Kurt Fredrickson, diretor do Programa Doctor of Ministry no Seminário Fuller, em Pasadena, Califórnia, disse que a linguagem que está cada vez mais vendo entre pastores é a mordomia toda a vida.

     "É sobre como damos todo o nosso ser a Deus, o que inclui dinheiro, é claro, mas também o nosso tempo e os dons," disse Frederickson, que foi pastor durante 24 anos. "Eu gosto do comentário de David Neff... há certamente o senso de que a maneira como gastamos o nosso dinheiro diz muito sobre quem somos."

     O professor da Fuller apontou para John Wesley, fundador do movimento metodista, que deu muito de sua renda, e ganhou mais e manteve seu padrão de vida da mesma. Ele acabou dando cerca de 90 por cento de seu dinheiro e ficou vivendo com 10 por cento.

     Em vez de pensar em uma obrigação estrita, o professor de Antigo Testamento, Dr. Walton também convidou os Cristãos a pensar sobre o dízimo em termos diferentes.

     "Uma visão global de mordomia deve incluir um sentimento de gratidão para com Deus como a fonte de nossos bens. Se estamos tentando expressar nossa gratidão a Deus, não acho que as nossas palavras são suficientes," disse Walton.

     Ainda assim, a porcentagem padrão de 10 no Antigo Testamento pode servir como um "referência" acrescentou.

     "Minha gratidão a Deus é ilimitada, portanto isso significa que eu preciso dar tudo?" ele colocou. "O que seria uma expressão adequada de gratidão? E isso é de onde a informação vem dentro do Antigo Testamento. Que Deus considerou ser uma expressão adequada para ser o dízimo."

     Ele acrescentou: "Mais ou menos como a referência para gorjetas em um restaurante, define quais são as expectativas."

     Ao contrário de quase todos os líderes da NAE que disseram que dizimaram pelo menos 10 por cento, Empty Tomb, Inc., relatou que os evangélicos ofertam às Igrejas apenas cerca de quatro por cento dos seus rendimentos. Entre todos os Cristãos, o percentual é ainda menor - apenas 2,43 por cento.

     Douglas LeBlanc, autor do livro “Dízimo: Provai-me Nisto”, Comentou: "O que me enlouquece é que se houvesse um mandamento mais explícito para dar o dízimo, acho que ainda haveria gente que diria: 'Não somos escravos da lei depois de tudo."

     "Os Cristãos americanos em particular, eu acho, nunca vão deixar de encontrar uma saída do dízimo, se eles não estão interessados."

     O Presidente da NAE, Leith Anderson comentou no final da pesquisa que espera ver mais "generosidade, proporcionada, alegre e sacrificial entre os evangélicos americanos" nos próximos anos cada vez mais as Igrejas oferecem cursos financeiros e ensinam sobre mordomia.

     A NAE realiza Pesquisas de Líderes Evangélicos mensalmente entre sua diretoria, que incluem os presidentes das denominações, missões de organizações, universidades, editoras e Igrejas.

NOSSA OPINIÃO

     As pessoas querem ser abençoadas em tudo, mas sem cumprir com os requisitos de Deus. Dizimar é uma questão de adoração, gratidão e fé. A Bíblia mostra que todos os personagens que devolveram o dízimo foram abençoados pela Divina Providência. Para quem diz que o dízimo não é um padrão no Novo Testamento, e que dar o dízimo não é ensinado nas páginas do Novo Concerto, veja o que Jesus disse:
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer essas coisas e não omitir aquelas” (Mateus 23. 23).
     Jesus não condenou ou proibiu a entrega do dízimo, mas ensinou a verdadeira atitude que se deve ter ao dizimar. Segundo o Mestre, não adianta dizimar simplesmente por ser um mandamento e continuar a ter uma vida discrepante com relação a outros mandamentos, como “o juízo, a misericórdia e a fé”. Jesus diz que o dizimo deve ser lembrado junto com estas outras qualidades igualmente importantes: “deveis, porém, fazer essas coisas e não omitir aquelas”. Foi Jesus que disse.

     Agora é você quem escolhe obedecer ou não. Só tome cuidado com sua escolha. O obediência traz bênção, a desobediência trará o devorador (Malaquias 3. 7-12).

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Jovens Cristãos: 20 Consequências da Masturbação