Devocional: Andando com Deus nos Desertos da Vida

     No deserto você se sente desolado, pois este é realmente um lugar de desolação. Não há água, comida e sombra. O sol é escaldante, o clima é quente e seco e a sobrevivência é difícil. O ambiente é desabrigado, você vê poucos seres vivos além de você.

     Assim também é nossa caminhada de fé. Temos que andar sozinhos e em vários momentos nos vemos abandonados. Todos concordam que é difícil andar no caminho da fé.

     O deserto representa os momentos em que você tem de lutar para sobreviver com sua fé. Você deve lutar com tudo o que você tem para poder superar as dificuldades impostas pelo deserto que você está passando.

     O deserto da vida representa este mundo separado de Deus, ou pode ser um momento na nossa vida em que mais precisamos de Deus (Sl 63. 1).

     A Palavra de Deus nos apresenta muitos personagens que passaram pelo deserto e sobreviveram. Pessoas como Agar, Moisés e Elias. Até o próprio Jesus passou pelo deserto. Se você está passando por algum deserto em sua vida, medite neste estudo e aprenda as lições que os sobreviventes do deserto da vida passaram.

I. O DESERTO É UM CONVITE PARA A ADORAÇÃO (Êx 3. 18; 5. 3; Lc 5. 15, 16).

     Moisés acabara de se mudar para o deserto de Midiã por medo de ser morto por Faraó após ter matado um egípcio que maltratava um de seus irmãos israelitas (Êx 2. 11-15). Ele foi obrigado a abandonar as mordomias do Egito para preservar sua vida. Sua vida sobreviveu no deserto. Moisés teve de aprender a sobreviver no deserto e amadurecer. Mas isso só aconteceu quando ele teve um encontro com Deus no deserto, no monte Sinai. As vozes dos soldados de Faraó ainda estavam ecoando em seus ouvidos quando ele avistou a sarça ardente. Ao notar que o fogo não queimava aquele arbusto espinhoso, Moisés subiu um pouco mais o monte para se aproximar mais e ver melhor aquele  fenômeno. Era isso o que Deus estava esperando. Outra voz ecoou nos ouvidos de Moisés. Não eram vozes de acusação por ele ter matado um homem, não eram as vozes de faraó e seus soldados procurando-o para matar. Moisés ouviu uma voz chamando repetidamente sua voz. Ele respondeu “Eis-me aqui”. Quem o chamava naquele deserto inóspito e solitário? Moisés descobriu quem era quando a voz lhe disse: “tira os teus sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa”. Deus chamou Moisés no deserto para uma grande missão, mas essa missão começou com adoração. Deus não levou em conta o passado de Moisés. Deus via o valor do seu servo e quis usá-lo para o futuro. Moisés só precisou confiar, obedecer e adorar (At 7. 30-36).

    Devemos ter um lugar a sós com Deus. O deserto é um ótimo lugar para buscar comunhão com Ele (Lc 5. 15, 16).

II. NO DESERTO PODEMOS APRENDER A CONFIAR NA ORIENTAÇÃO DE DEUS (Sl 106. 9; Êx 19 1-5; Am 2. 10; Mc 6. 32-44).

     Deus guiou o povo de Israel pelo deserto. A nuvem de fogo e a coluna de nuvem protegia o povo e servia de guia pelo caminho que deviam andar (Êx 13. 22; Nm 9. 16-23). Deus às vezes pode nos guiar por lugares desconhecidos onde sentimos medo por não saber onde vamos chegar. Nesses momentos ele requer que tenhamos a mesma fé de Abraão (Hb 11. 8). Não é por não sabermos onde Deus nos leva que não andaremos, mas é por obedecer a Deus que andamos com Ele, e descobrimos como é bom andar com Deus no deserto. O povo de Israel andou no deserto e chegou à terra prometida.

     Deus pode não te dizer para onde você vai, mas com certeza é um lugar de delícias (Sl 61. 2). Deixe Ele te levar. O destino final te espera: a terra prometida, onde está o destino de todos os que obedecem a Deus e andam com Ele (Fp 3. 20; Jo 14. 1-3; Ap 21. 10-23).

III. AS VEZES DEUS NOS LEVA OU NOS DEIXA IR AO DESERTO PARA NOS AJUDAR (Gn 16. 7; 21. 14-19).

     Agar foi humilhada  e fugiu da casa de Abraão (Gn 16. 6). Ela encontrou na casa de Abraão sofrimento e humilhação, mas no deserto ela achou mais do que na casa onde ela era escrava. Ela fugiu duas vezes. Na primeira vez, o Anjo do Senhor lhe ensinou a humildade (Gn 16. 9). Na segunda vez que ela fugiu, Deus apareceu a ela no deserto de Berseba e lhe ensinou sobre a sua providência e sobre sua promessa (Gn 21. 14-21).

     Até mesmo quando vagueamos nos desertos da vida devemos ter consciência da presença e do cuidado de Deus (Sl 56. 8). Saiba que Deus está vendo o seu sofrimento. Foi isso o que Agar constatou (Gn 16. 13).

IV. ATÉ NO DESERTO NOTAMOS SUA PROTEÇÃO (Dt 32. 10-12; 29. 5; 1Sm 23. 14).

     Quando estamos no deserto e vemos que não há nada para suprir nossas necessidades somos então forçados a aprender a sobreviver. Na passagem em Deuteronômio acima mostrada Deus, usa uma imagem da proteção da águia que ensina seu filhote a voar.

     A águia coloca o filhote nas costas e o leva num voo muito alto e de lá o solta! Na queda o filhote pia e se debate, caindo numa alta velocidade. Quando a águia vê que seu filhote está se debatendo mas não vai conseguir voar, ela faz uma manobra de voo e segura seu filhote em suas costas, voando novamente ao céu e fazendo-o cair outra vez. Ela repete isso até o filhote aprender a voar.

     O interessante é que por repetir esse susto no filhote de deixá-lo cair e depois interceptar sua queda segurando-o em suas costas, o filhote acaba se acostumando, e perde o medo, conseguindo na queda, aprender a voar.

     Isso acontece porque ele não tem mais medo da queda, pois sabe que a mãe águia vai agarrá-lo em suas costas num voo rápido, impedindo de se machucar na queda.

     Sabe porque você está nesse deserto? Deus está querendo que você entenda de uma vez por todas a importância de confiar nEle. Aprenda a confiar em Deus e você sentirá a força e a liberdade do voo da águia (Is 40. 28-30).

V. DEUS NOS LEVA AO DESERTO PARA PODERMOS OUVIR SUA VOZ (Os 2. 14)

     Cremos que essa mensagem está falando ao seu coração. É por isso que  você está nesse deserto. Foi no deserto que Deus falou a seus servos e não é diferente com você.

     Deus quer que você O ouça. O que Ele está te dizendo agora é entre você e Ele. Apenas O ouça. A primeira geração dos israelitas morreu no deserto porque não quis ouvir a voz do Senhor. Deus os levou ao deserto e lhes deu suas leis, falou amorosamente, mas eles endureceram o coração (Hb 3. 7-19).

VI. DEUS NOS LEVA AO DESERTO PARA TESTAR NOSSA FÉ (ÊX 15. 22, 27; Dt 8. 1-10; Mt 4. 1)

     Até onde pode ir a sua fé? Você continua crendo na montanha, teme no vale e desiste no deserto? Passar pelo deserto nos ensina a confiar em Deus e sermos dependentes dEle.

     Muitas vezes as privações trazidas pelo deserto da vida mostra quem você realmente é: se você confia em Deus e enfrenta o mal ou se desiste e é derrotado. Não é que Deus te coloca em certas situações para “saber” como você reagiria, mas para você mesmo saber quem é você. Foi assim com Jó.

     Jó era próspero e feliz, mas aconteceu que ele perdeu tudo  e seus amigos o acusavam de estar sendo castigado por Deus por ter pecado contra Ele.

     Jó se gabava de ser justo, mas Deus lhe provou que isso não era razão para Jó questioná-lO. Deus está acima de qualquer suspeita. Jó se envergonhou de seu “orgulho santo” e confessou que Deus é justo até quando nos permite sofrer (Jó 42. 1-6). Foi aí que Jó foi abençoado após ter passado no deserto da sua vida (Jó 42. 9-13).

    VII. DEUS NOS LEVA AO DESERTO PARA RENOVAR NOSSAS FORÇAS (1Rs 19. 3-7)

     Elias foi atingido por um grande desânimo, logo após ter sido ameaçado de morte pela rainha Jezabel, depois que ele matou os profetas de Baal.

     O grande herói hebreu pediu a própria morte quando se escondeu numa caverna. Ele orou pedindo a morte e não o alívio para sua vida. Ele imaginou que Deus estaria chegando com todo o seu poder mortal quando viu o terremoto, a tempestade e o granizo.

     Nas tempestades da vida é comum nos desesperarmos e esperarmos apenas a morte. É nessa hora que como Elias, podemos ouvir a voz de Deus chamando o nosso nome e dizer: “sai desse caverna”.

     Sim, sai dessa decepção! Saia dessa depressão! Ainda não chegou o seu fim! Ainda não é hora de desistir. A tempestade, o vento forte e o terremoto revelarão a voz mansa e suave de Deus dizendo que você é importante de mais para jogar a toalha fora.

     Essa voz renovou as forças de Elias e Deus também quer renovar as suas. Você pode ouvir a Sua voz ao invés de reclamar da vida?

CONCLUSÃO

     Se Deus permitiu você entrar num deserto não fuja! Existem muitas coisas boas que Deus pode te mostrar e ensinar lá. Esteja preparado para ouvir a voz do Senhor te ensinando mais sobre seu amor e sua vontade.

    O deserto é o lugar onde podemos amadurecer espiritualmente e pessoalmente. É aí que podemos sentir ainda mais o amor e a presença de Deus (Rm 5. 3-5).

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Dúvida bíblica: Qual a diferença entre alma e espírito?