Notícia: Famoso estilista gay é acusado de racismo e antissemitismo

    

     John Galliano — famoso estilista e homossexual assumido — foi interrogado nesta segunda-feira pela polícia de Paris por causa de acusações de racismo e antissemitismo. Ele foi suspenso pela Christian Dior depois que um casal prestou queixa, dizendo que Galliano gritou insultos no bar La Perle, no bairro parisiense do Marais.

     A Christian Dior, que na última sexta-feira afirmou ter uma política de “tolerância zero” em relação a qualquer comportamento racista ou antissemita, disse que Galliano estará suspenso enquanto não for concluída a investigação policial.

     Além do casal, uma mulher acusou Galliano de insultá-la em outubro do ano passado, no mesmo bar, de acordo com a polícia. O jornal inglês The Sun divulgou hoje um vídeo em que o famoso estilista aparece dizendo que ama Hitler.

     Como se vê, a intolerância não é privilégio dos heterossexuais. Criar uma lei específica para pôr na cadeia as pessoas que supostamente cometem crimes homofóbicos não é a solução contra a discriminação e o preconceito. Afinal, também existem homossexuais que, à semelhança de Galliano — pelo que tudo indica —, têm aversão a casais heterossexuais.

     Leis contra a violência, o racismo e a discriminação já existem em todo o mundo civilizado. Elas são para todos e devem ser aplicadas. Mas, se o insulto a homossexuais é o mesmo que racismo, como tem dito a senadora Marta Suplicy, os impropérios contra evangélicos e heterossexuais também precisam receber o mesmo tratamento.

     Penso que seria um grande erro dos nossos legisladores privilegiarem um grupo minoritário, em detrimento de outros, só porque aquele é mais escandaloso, grita mais alto nas ruas e tem espaço privilegiado na mídia.

Fonte: Ciro Sanches Zibordi

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Jovens Cristãos: 20 Consequências da Masturbação