EBD: Lição 12 – Quando o Crente não Ora (19/12/2010)

JONAS2
TEXTO ÁUREO:
“Então os homens israelitas tomaram da sua provisão e não pediram conselho à boca do SENHOR” (Js 9. 14).
VERDADE PRÁTICA: A falta de oração na vida dos crentes leva-os a decisões precipitadas.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Jonas 1. 1-5, 11, 12, 15

     Andar sabiamente significa andar na direção que Deus deseja (Ef 5. 15; Cl 2. 6) e esta direção está em seus mandamentos (Dt 4. 6; Jó 28. 28;  1Ts 4. 1-3; 5. 18). Muitos querem saber qual a vontade do Senhor mas não sabem como entendê-la (Sl 119. 104; Jo 7. 16, 17; Rm 12. 1, 2; 1Pe 4. 2). Crentes que não oram, realmente são crentes sem direção, pois não têm a comunicação e a sensibilidade necessária para entenderem qual seja a vontade do Senhor (Rm 12. 2; Ef 5. 17).

     Nada melhor que a oração para entender a direção de Deus, saber sua vontade e agradá-lO (1Rs 3. 11, 12; Sl 119. 27; Pv 2. 3-5; Cl 1. 9).

     Nesta lição aprenderemos mais um pouco sobre o valor prático da oração, e as consequências funestas que decorrem na vida do crente que não ora.

     Esperamos que esta lição possa melhorar sua vida de oração.

     Sendo a oração, além do estudo das Escrituras, o  melhor  meio pelo qual o ser humano dispõe para receber direção de Deus nas decisões da vida, torna-se imprescindível entendermos que a boa pratica da oração que confia e espera a resposta de Deus é importante na vida de todo aquele que deseja servir a Deus.

I. QUANDO O HOMEM ORA, MAS NÃO OBEDECE

     Infelizmente nem todos os crentes oram como deveriam. Desde os primórdios da igreja o apóstolo Tiago reclamava da falta da oração ou da atitude errada na oração na vida dos crentes que receberam sua epístola (Veja Tg 4. 2, 3). Neste quadro, o profeta Jonas é um bom exemplo de um crente que até ora, mas sua oração não faz diferença nenhuma, pois não é acompanhada pela atitude.

   1. Jonas desobedece a Deus. Este foi o primeiro passo que Jonas deu rumo ao seu próprio fracasso. A oração sem obediência é o mesmo que falar palavras sem ter voz, pois Deus não escuta este tipo de oração (Is 1. 15; Jr 11. 14; Ez 8. 18; Mq 3. 4).

     As únicas orações registradas no livro do profeta Jonas, que foram feitas por ele encontram-se nos caps. 2. 1-9 (quando estava em apuros dentro do ventre do peixe, como a maioria dos crentes fazem, que só clamam a Deus na hora do perigo), e a outra oração que Jonas orou que está no cap. 4. 2, 3 (quando Jonas pede a morte, contrariado pelo sucesso da sua missão, pois sua vontade era que todos os ninivitas morressem! Sua atitude era claramente contrária à vontade de Deus).

     No fim do livro de Jonas Deus lhe dá uma lição, quando ele assenta-se desejando ansiosamente ver a destruição da cidade e vê que o que se acaba não é a cidade mas a aboboreira que lhe dá sombra, e ao ver que a aboboreira morreu, novamente murmura desejando a morte (Jn 4. 5-11).

     Você deseja ter sucesso na resposta às suas orações? Então aceite a vontade de Deus e tenha atitudes coerentes com Sua vontade, ao invés de ficar só murmurando, como Jonas.

   2. Jonas foge da presença de Deus. Jonas age como uma pessoa que não conhece a Deus e não lembra da Sua Soberania e da Sua Onipresença. Realmente a desobediência é a fuga da vontade divina, a tentativa de esconder-se do Deus Onipresente e Onisciente (Gn 3. 6, 8, 9).

     A Bíblia informa-nos que ao invés de viajar para Nínive, Jonas tomou um barco em direção oposta, rumo a Társis, que faz parte da atual Espanha, há 4.000 Km de distância de Jerusalém, na distância oposta do caminho ordenado por Deus a Jonas.

     Fugir de Deus não resolve nenhum problema, só piora. A desobediência de Jonas pôs em perigo todos os do navio onde ele estava.

     Sua desobediência pode causar o mesmo com os que o rodeiam.

   3. Jonas é jogado ao mar. Aqui está uma grande lição do livro de Jonas: Ele próprio sabia ser ele mesmo a causa de seus infortúnios. Em nossa vida com Deus não deveríamos fazer o mesmo ao invés de culpá-Lo? Veja a atitude de Jonas em Jn 1. 4-12, 15 e note o conselho em Lm 3. 39.

     Só que o ser jogado no mar também não resolveu seu problema. Jonas só teria seus problemas resolvidos depois que decidisse cumprir com a vontade expressa de Deus. No entanto, no mar, Jonas foi engolido por um grande peixe. Dentro do peixe Jonas tinha duas escolhas: morrer e ser digerido no estômago do peixe ou decidir parar de lutar contra a vontade de Deus e ir pregar em Nínive. Obviamente ele escolheu a segunda opção e foi milagrosamente deixado na praia de Nínive, ao ser expelido pelo grande peixe depois de sobreviver  três dias dentro de seu estômago.

     Não faça como Jonas! Não se entregue ao mar turbulento da desobediência! Obedeça a Deus e verá que você chegará em segurança ao seu destino.

PARE E PENSE: Seja você mesmo a resposta às suas orações! De quê adianta você orar por algo que você mesmo não quer que aconteça? Do que vai adiantar pedir a Deus e depois servir de impedimento para si mesmo? Pare de perder tempo orando errado. Mude sua atitude equivocada e transforme sua oração em uma ação que agrade a Deus e possibilite Sua resposta. Só assim Deus vai te ouvir quando você orar.

II. DEIXANDO DE BUSCAR A DIREÇÃO DE DEUS

     As adversidades enfrentadas por Jó fizeram seus amigos o acusarem de ter deixado de buscar a Deus em oração (Jó 15. 4). Também o profeta Sofonias adverte aqueles que deixam de buscar a Deus (Sf 1. 6). A Bíblia mostra exemplos de servos de Deus que em momentos cruciais não buscaram a direção do Senhor e amargaram as duras consequências.

   1. Josué. Os caps. 9 e 10 de Josué marcam a astúcia dos gibeonitas para escaparem da extinção promovida pela ocupação dos hebreus na Terra Prometida. Mostra-nos a Palavra que eles não consultaram a Deus sobre a questão desse pacto (9. 14), e por isso tiveram que aceitar um povo mentiroso e pagão próximo de seu território e ainda por cima tiveram que se colocarem à sua disposição para os defender contra seus inimigos (10. 6-11).

     Deus já os havia proibido de fazerem pacto com as nações, com nenhum povo (Êx 23. 32, 33; 34. 12-16;  Lv 18. 3; Dt 7. 2-4, 16, 25, 26), o que se eles tivessem obedecido, nem precisariam consultar a Deus para tirar as dúvidas, mas obedecer puramente à Palavra que Deus já havia ordenado.

     Não foi só a falta de oração o problema, mas também a desobediência.

   2. Davi. O ato desobediente de Jonas pôs em perigo toda tripulação do barco no qual viajava. Ele foi jogado no mar e Deus pôde tratar apenas com ele sem mais consequências para os outros. Já o caso de Davi levou cerca de setenta mil pessoas à morte (2Sm 24. 15).

     Tudo começou com o censo ordenado por Davi, claramente contra a vontade de Deus. Coisa que até Joabe, general do exército de Davi, percebeu e tentou avisar-lhe (2Sm 24. 3, 4).

     Deus era buscado por Davi, menos nas horas em que ele deixava-se levar pelos sentimentos de independência e orgulho. Sempre que Davi pecou, mostra-nos a Bíblia que foi porque ele estava fazendo outra coisa ao invés de estar buscando a Deus, como no caso dele com Bate-Seba (2Sm 11. 2). Por isso a Bíblia afirma a importância de orar e vigiar (Lc 21. 36; Ef 6. 18; Cl 4. 2). Davi não vigiou porque não estava orando, e assim pecou, ao cair em tentação (Mt 26. 41).

   3. Sara. O exemplo de Sara mostra que toda desobediência provém da falta de fé, da desconfiança na promessa de Deus. Essa desconfiança causa a falta de paciência em esperar o cumprimento da promessa de Deus, como aconteceu com Sara. Ela convenceu Abraão a tomar sua serva egípcia, Agar, como concubina. O nascimento do filho de Agar e Abraão não estava nos planos explícitos de Deus, pois sua clara promessa era dar um filho a Abraão e Sara, nascido deles dois. Esta tentativa de “ajudar a Deus” causou duras consequências (Veja os caps. 16 e 21 de Gn).

PARE E PENSE: Quem não crê de todo o coração nas promessas de Deus não terá a paciência de esperar o cumprimento da promessa ou a resposta de Deus e nem terá também a confiança em perseverar em oração. Infelizmente assim está a vida de muitos crentes. Tenha você a ousadia de crer e confiar! Persevere em oração até receber a resposta (Mt 7. 7, 8).

III. BUSCANDO CONSELHOS EM OUTRO LUGAR

    O conselho de Deus, sua direção e orientação, quando seguidos à risca, mostram-se infalíveis (Sl 33. 11; Pv 19, 21; Is 46. 10). Devemos escolher sempre seguir os conselhos divinos (Pv 8. 4-14) e evitar o conselho dos ímpios (Jó 21. 16; Sl 1. 1). Trocar os conselhos divinos e buscá-los em outro lugar trás sérios resultados (Is 30. 1; 31. 1).

   1. Acazias. Acazias era Rei de Júdá, mas tinha como conselheira sua mãe, chamada de Atalia. Ela lhe aconselhava somente para o mal (2Cr 22. 1-4). Sua impiedade comparava-se à de Acabe, um dos piores reis de Israel. Ele não buscou a Deus quando adoeceu, mas consultou à Baal-Zebube (que em hebraico significa “O Senhor das Moscas”), este era o deus adorado pelos filisteus, antigos inimigos de Israel. O nome Baal-Zebube transformou-se, com o passar do tempo, na época de Cristo, em BELZEBU (em aramaico), este sendo conhecido como “o príncipe dos demônios” (Mt 12. 24). Não é à toa que Deus se indignou com a atitude de Acazias, que preferiu consultar demônios ao invés de Deus, e por isso foi repreendido pelo profeta Elias (2Rs 1. 2-6).

   2. Saul. Deus se cansou da desobediência de Saul, e não se comunicava mais com ele (1Sm 28. 3-6). Saul tinha uma mania de fazer as coisas sem orar à Deus (1Sm 13. 12, 13) e de dar desculpas quando era repreendido por não executar totalmente as ordens claras de Deus (1Sm 15. 11-23). Deus rejeitou Saul (1Sm 16. 1), e ele precipitadamente mandou consultar uma necromante para dar-lhe a direção na guerra contra os filisteus (1Sm 28. 7). Seu fim trágico é conhecido por todos nós (1Cr 10. 1-6, 13). Este fim trágico também será o castigo dos que se dão à astrologia, cartomancia, búzios, adivinhação, espiritismo, signos e outras formas supersticiosas parecidas de receber direção (Êx 22. 18; Lv 19. 26, 31; 20. 6; ). As práticas espíritas, chamadas na Bíblia de “feitiçarias” estão presentes na lista das obras da carne, que definem o comportamento do ser humano sem Deus (Gl 5. 19-21). O único Espírito que devemos ouvir-lhe a direção é o Espírito Santo de Deus que inspirou a Bíblia (2Pe 1. 19-21; veja 2Tm 3. 16, 17).

   3. Roboão. Ele ingenuamente preferiu o conselho de seus jovens amigos inexperientes e causou a divisão do reino de Israel, quando rejeitou os sábios conselhos dos anciãos de Israel (1Rs 12. 1-16). Devemos respeitar os mais velhos e saber que eles sabem mais da vida, e por isso podem nos aconselhar melhor (Pv 8. 32; 11. 14; 15. 22).

     Além deles existem exemplos de outros maus conselhos: o conselho de satanás a Eva (Gn 3. 4-6); o da mulher de Jó: (Jó 2. 9); o conselho mau de Balaão (Nm 31. 16), etc.    

PARE E PENSE: Quando a orientação que Deus te dá em sua Palavra não é de acordo com os seus planos e sua visão, qual atitude você costuma tomar? Você segue seus instintos mesmo assim e se responsabiliza pelas consequências ou ora pedindo a Deus forças para seguir sempre Sua direção? Com certeza a direção de Deus é melhor, mesmo que não saibamos o que acharemos durante o caminho (Hb 11. 8)!

CONCLUSÃO

      Necessário se faz discernirmos se uma pregação, estudo bíblico, conselho ou até mesmo profecia vem ou não de Deus (1Jo 4. 1). Todo o conselho ou palavra que contrariar a Palavra Santa de Deus nas Escrituras, deve ser rejeitada (Dt 13. 1-4).

     Por isso é importante que o crente mantenha comunhão com Deus por meio do estudo da Palavra e da oração, mas que obedeça a esta Palavra e tenha uma atitude na oração que propicie o agrado de Deus.

     Não deixemos, portanto, de orar (1Ts 5. 17).

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO

1) Você é daqueles que, como Jonas, só oram quando está no ventre do peixe?

2) De que forma você age para mostrar a Deus que você deseja realmente que Ele responda às suas rações?

3) Você pode lembrar-se de algum momento em que Deus te deu a direção de algo para sua vida e você fugiu da vontade do Senhor? O que aconteceu? Isso resolveu seu problema ou só aumentou?

4) Você já percebeu que as consequências de seus atos podem afetar aqueles que estão ao seu redor? Por que você acha que isso acontece?

5) De acordo com o terceiro tópico desta lição, quando alguém deixou de seguir os bons conselhos e a direção de Deus, acabou seguindo conselhos inspirados por demônios. Você concorda com isso? Todo conselho que não é de Deus, é de demônios? Quantas vezes você fez algo contra a Palavra de Deus e deu tudo certo em sua vida? Você acha que pessoas não-evangélicas podem dar conselhos para evangélicos melhores que os conselhos existentes na Palavra de Deus?

ORAÇÃO

     Senhor, obrigado por me dirigir pelo teu Espírito e pela tua Palavra. Me ensine a saber diferenciar quando um conselho, pregação ou profecia vem da tua parte ou não. Que eu possa sempre te agradar e te obedecer. Continua a me guiar, quero andar contigo sem me desviar nem para a direita e nem para a esquerda. Em nome de Cristo te peço e já agradeço por fé. Amém.

      Se você ainda tem dúvidas, entre em contato conosco pelo “FORMSPRING”, um quadro localizado bem na parte de baixo da página deste estudo e me envie sua pergunta. Você também pode participar do nosso fórum em nossa comunidade no Orkut. Acesse:  http://bit.ly/9D3AJJ e participe! Além disso, se você usa o Windows Live Messenger ou o Google Talk pode falar comigo adicionando meu e-mail: jcservo@hotmail.com. Quando eu estiver online, você vai saber e então poderemos conversar em tempo real na própria página deste blog! O Status do GTalk está localizado abaixo do banner de título deste blog, mostrando se estou online ou não. A caixa de conversação do Messenger se encontra ao lado do quadro FORMSPRING na parte de baixo da página.

Boa aula!

Pedro M. A. Júnior.

TWITTER: @jcservo

E-MAIL: jcservo@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Dúvida bíblica: Qual a diferença entre alma e espírito?