EBD: Lição 3 – A Oração Sábia

    
TEXTO-ÁUREO:E acabando Salomão de orar, desceu o fogo do céu, e consumiu o holocausto  e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa(2Cr 7. 1).

VERDADE PRÁTICA: Apregoar a fidelidade do Senhor e adorá-lO com humildade leva-nos a interceder pelo próximo.

     Todos queremos ter nossas orações atendidas por Deus. Mas Deus tem seus critérios para respondê-las (Sl 34. 17; Is 30. 19; 66. 2). 
     Esta verdade é bem ilustrada pela vida de Salomão. Antes de tomar posse do reino de Israel, Salomão, tendo consciência de suas limitações, sabia ser uma grande responsabilidade ter de governar o povo escolhido de Deus. Além disso, deveria governar conforme a Palavra de Deus e ainda levar à cabo o projeto do Templo que Davi, seu pai, lhe encarregou. Deus vendo o coração turbado de Salomão, apareceu a ele e lhe incentivou a fazer-lhe uma oração: perguntou-lhe o que desejava (1Rs 3. 1-14).
     A resposta de Salomão a Deus em forma de um humilde pedido feito numa curta e singela oração agradou tanto ao Senhor que Ele prometeu dar a Salomão muito mais do que ele havia pedido ou pensado. E é assim que Deus faz (Ef 3. 20). Ele tem seus propósitos para conosco, e, para cumpri-los, basta que peçamos sabiamente (Tg 4. 3).
     Pedir sabiamente não é orar com esperteza, como se pudéssemos “enrolar” a Deus com nossa argumentação e eloquência. A oração sábia depende não da beleza e força das palavras usadas, mas na pureza do objetivo dos pedidos e na humildade dos sentimentos. Foi assim que Salomão pediu sabedoria a Deus. Salomão sabia que Deus não se impressiona com palavras apenas. Deus quer ver nossa sinceridade a Ele. E foi deste modo que Salomão agiu e recebeu mais do que pediu.
     Nesta lição aprenderemos a orar sabiamente como o rei Salomão.    

I. VIVENDO A DIFERENÇA
     O autor desta lição, pr. Eliezer de Lira e Silva, começa apontando que o lar de Salomão tinha muitos problemas mas não revela o que ele objetiva em alcançar ao mostrar isso. Daremos aqui nosso humilde parecer.
      1. O lar de Salomão. Os irmãos de Salomão revoltaram-se contra Davi, seu pai, enquanto que Davi não tomava nenhuma posição ou medida enérgica pra lhes refrear a estultícia e repreender-lhes a estupidez. Talvez o autor quis mostrar com isso que Salomão era diferente dos seus irmãos pelo fato de não haver se revoltado contra seu pai. E talvez este seja um dos motivos pelos quais Deus disse a Davi que Salomão seria seu sucessor no trono (1Cr 28. 6).
      2. Salomão e o altar de Deus. É interessante sabermos que a palavra lar, que em nosso idioma abrange a casa e as pessoas que nela moram, vem de um idioma bastante antigo, o catalão, que na sua cultura, reservava sempre na construção das casas um lugar especial onde a família se reunia para adorar seus deuses domésticos. 
     Na cultura catalã, que obviamente era pagã, este altar familiar ficava no que hoje chamamos de “sala de estar”, e sempre tinha uma lareira, que aquecia a família reunida para a adoração e para ouvir as histórias do chefe de família sobre as mitologias de seus deuses. Foi da palavra catalã para “lareira” que se derivou a palavra “lar”. No pensamento pagão a família eram os servos (a palavra catalã usada traduz-se por “domésticos”) dos deuses da lareira (ou do lar). A lareira era o altar onde a família se reunia para a adoração coletiva. Em certas casas de devotos católicos vemos uma estrutura parecida.
     O altar de Salomão não era pagão, e Salomão não era idólatra (até esta época). Enquanto a família de Salomão estava desestabilizada, ele punha-se a buscar ao verdadeiro Deus, enquanto seus irmãos buscavam tomar de Davi seu poder e posição de rei. Mesmo que seu lar não estivesse tendo tanta dedicação a Deus por parte de sua família, Salomão transformou seu quarto em um altar de oração. Foi por isso que ele não foi influenciado pelo pecado de seus irmãos e manteve-se em comunhão com Deus. Salomão vivia a diferença (Sl 66. 18).
     Querido leitor, se na sua família só você serve a Deus, não se preocupe. Separe um lugar só pra você e Deus e deixe o Senhor agir na tua família.
     O historiador Flávio Josefo narra a vida piedosa de Salomão, resumindo-a nestas palavras: 
Um dos primeiros cuidados do rei Salomão foi ir a Hebrom oferecer a Deus em holocausto mil  vítimas sobre o altar de bronze que Moisés  fizera construir.  Deus achou-o  tão agradável  que  lhe apareceu  à  noite,  em sonho, para dizer que, como recompensa por sua piedade, lhe concederia o dom que pedisse. Ainda que jovem, Salomão não se deixou levar pelo desejo das riquezas ou de outras coisas que parecem agradáveis aos homens.  Preferiu uma mais útil, mais  excelente e mais digna da bondade e da liberalidade de Deus. Assim, respondeu  ele:   ‘Senhor,   já  que  o  permitis,   suplico-vos  que  me   concedais   o Espírito da sabedoria e do proceder, a fim de que possa governar o meu reino com prudência e justiça’. Deus  ficou  tão satisfeito com esse pedido que,  após conceder-lhe uma sabedoria   extraordinária,   como   ninguém   antes,   príncipe   ou   particular, possuíra, declarou que não concederia somente o que ele estava pedindo, mas acrescentaria riquezas, glória, vitória sobre os inimigos e a posse do reino aos seus   descendentes,   desde   que   confiasse   nEle,   perseverasse   na   justiça   e imitasse   também  as   virtudes  de  Davi,   seu pai.  Salomão,   a  essas  palavras, ergueu-se do leito e adorou a Deus. Quando voltou a Jerusalém, ofereceu-lhe diante do santo Tabernáculo um grande número de vítimas e deu um banquete ao povo”. (JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus, Antiguidades judaicas, Livro 8º, Cap. 2  parágrafo 320, CPAD).
      3. A oração de Salomão na inauguração do templo. Ao analisarmos a oração do rei Salomão, proferida quando da inauguração do templo, onze meses após a conclusão de sua construção, podemos ver que ele primeiro fez um discurso ao povo, pra depois orar a Deus. O discurso é menos extenso do que a oração que ele fez ao Senhor, consagrando-lhe o templo (Veja 1Cr 6). Salomão estava mais interessado em falar com Deus do que ao povo. Mas por que não foram os sacerdotes que proferiram a oração de consagração do templo? Eis os motivos: (1) Os sacerdotes só começariam  a trabalhar no templo depois de inaugurado. Isto não impedia Salomão de consagrá-lo mesmo não sendo sacerdote. A consagração não vinha dos sacerdotes ou do rei Salomão, mas de Deus; (2) Sendo o rei Salomão a autoridade máxima da nação, ao orar a Deus dedicando a Ele o templo que construíra para sua glória, estava ele a demonstrar que o verdadeiro dono do reino de Israel e do templo era o Senhor; (3) A pessoa mais indicada para consagrar o templo era realmente o rei Salomão, pois os outros sacerdotes e levitas estavam bem atarefados ministrando todas as ofertas e sacrifícios que eram oferecidos durante a festa de inauguração do templo. Salomão assim fazendo serviria de exemplo para o povo, pois se o próprio rei adora a Deus e declara Deus como o real governante de Israel, prestando-lhe adoração, quanto mais devem fazer o mesmo seus súditos!
PARE E PENSE: Em nossa vida com Deus, deveríamos ter a mesma postura de Salomão: 
   (1) Não se deixar influenciar por aqueles que se revoltam contra o líder. Quantos crentes se revoltam contra seus pastores, buscando seus interesses escusos; 
   (2) Manter-se em comunhão com Deus, ansiando sua presença mais do que as coisas da terra que os homens carnais brigam para conseguir. Hoje em dia muito do nosso tempo para com Deus é tomado e substituído pelo corre-corre da vida materialista, centralizada no dinheiro e posição social apenas;
    (3) Reconhecer que Deus nos ajuda em nossos empreendimentos e dar a Ele todos os méritos por nossas realizações. Mesmo que você não possa construir um templo para Deus, pode reconhecer que tudo o que você consegue vem de Deus e é para a glória dEle.
 II. AS CARACTERÍSTICAS DA ORAÇÃO DE SALOMÃO
     A melhor forma de orar é seguindo os modelos bíblicos de oração. Nesta oração de Salomão, registrada em 2Cr 6 e 1Rs 8 temos o exemplo da maior oração registrada na Bíblia, fora do livro dos Salmos.
     1. Salomão confessou que Deus é único (2Cr 6. 14). Por ser único, depreende-se que os outros chamados “deuses” são falsos. Esta oração teve o endereço certo, ao “Deus de Israel” (vv, 14, 16, 17). Salomão dirige-se a Deus de outras maneiras: “Ó Senhor, meu Deus” (v. 19); “Ó meu Deus” (v. 40); “Senhor Deus” (vv. 41, 42). Cada expressão ressalta o caráter magnífico do Deus de Israel.
      2. Salomão proclama a fidelidade de Deus (2Cr 6. 14, 15). Deus é fiel ao que prometeu. É o que podem testemunhar aqueles que andam pela fé. Esta era a confiança de Salomão ao orar a Deus. Ele sabia que o Senhor continuaria sua fidelidade, firmada pelo concerto dEle com Davi. Na sua oração ele recorre à misericórdia de Deus. A misericórdia (hebraico hesed) de Deus é a garantia de que ele será fiel ao seu pacto. Esta palavra tem o mesmo significado e importância da palavra graça (grego karis). Da mesma maneira que “as misericórdias (hesed) de Deus são a causa de não sermos consumidos” (Lm 3. 22), é somente “pela graça (karis) sois salvos” (Ef 2. 20).
    3. Salomão era sensível ao bem-estar de seu povo. Note bem que Salomão pediu mais para o seu povo do que para si mesmo. No trecho paralelo de 1Rs cap. 8,  McNair (na Bíblia de Estudo Explicada, CPAD) comenta: “A oração [de Salomão] é dividida em sete seções, cada uma considerando um caso de necessidade que podia acontecer em  Israel; repete-se sete vezes a sentença: 'ouve tu, no lugar da tua santa habitação nos céus; ouve também e perdoa"’, ou palavras semelhantes.
    Os casos contemplados são:
(1)  Um juramento entre duas partes (vv. 31, 32).
(2)  Uma derrota do exército (vv. 33, 34).
(3)  Tempos de seca (vv. 35, 36).
(4)  Fome e peste (vv. 37-40).
(5)  Um estrangeiro que invoca o nome do Senhor (vv. 41-43).
(6)  O dia de batalha (vv. 44, 45).
(7)  O cativeiro (vv. 46-48).
PARE E PENSE: Você pode usar a mesma oração que Salomão fez em favor do povo de Israel, aplicando em favor de sua família. Mesmo que você não tenha nenhum grandioso templo para edificar e inaugurar fazendo uma solene oração no meio de uma multidão de pessoas, reúna sua família e consagre sua humilde casa ao Senhor Deus. O fogo de Deus também descerá sobre sua vida (1Cr 7. 1).
III. A ORAÇÃO INTERCESSÓRIA
     Salomão é um bom exemplo de intercessor. Todas as outras intercessões que aparecem na Bíblia são parecidas com a de Salomão.
       1. No Antigo Testamento.  O pr. Eliezer cita dois exemplos clássicos sobre intercessão. Temos o de Abraão por Sodoma e Gomorra (Gn 18. 22-33) e Moisés defendendo o povo de Israel (Êx 32. 32; Sl 106. 23). O que podemos acrescentar é tão somente os exemplos de Samuel intercedendo por Israel (1Sm 7. 5); um homem de Deus pelo rei Jeroboão (1Rs 13. 6); Davi por Israel (1Cr 21. 17); Ezequias pelo povo (2Cr 30. 18); Jó por seus amigos (Jó 42. 10).
      2. No período interbíblico. Neste período de 400 anos situado no tempo existente entre os livros de Malaquias e Mateus, o povo intercedeu mais por questões políticas e ansiava a chegada do Messias prometido, como mostra o pr. Eliezer em Lc 2. 36-38. Os livros apócrifos escritos nesta época contém várias orações, mas não são de valor espiritual algum para o crente de hoje.
      3. Em o Novo Testamento. A intercessão no Novo Testamento é um ministério sacerdotal da igreja (1Pe 2. 5). Jesus foi o maior exemplo de intercessor (Is 53. 12). Ele ordenou que orássemos por nossos inimigos (Mt 5. 44); Paulo orava pelos perdidos (Rm 10. 1), intercedia pelo crescimento da igreja (1Ts 3. 10, 12, 13).
PARE E PENSE: Interceder é antes de tudo se colocar no lugar do outro e sentir suas necessidades. A intercessão acontece quando eu tomo as cargas do meu próximo e através da oração ajudo-o a carregá-las . Isto constitui-se uma prova de amor para com o próximo. Mas além de orar uns pelos outros, devemos também agir, para não cairmos em uma atitude hipócrita (Tg 2. 15-17; 1Jo 3. 17, 18).
CONCLUSÃO
     A verdadeira oração sábia é aquela que une atitude com oração. Não adianta querermos que Deus faça algo por nós se nós mesmos não fazemos nada por Deus. Devemos sim dedicarmo-nos primeiro a Deus e aí sim Ele ouvirá nosso clamor, quando pedirmos segundo sua Palavra, a qual revela sua vontade.
PERGUNTAS PARA REFLEXÃO
 
1. De que forma você vive a diferença para que as suas orações façam a diferença para Deus?
2. Qual é a sua maior preocupação enquanto ora? Você sempre recorre à oração durante as dificuldades?
3. Para você, o que significa interceder?
4. Você recorda-se de alguma oração que Deus lhe respondeu? Qual?
5. O que mudou na sua mente ao estudar sobre a oração de Salomão que vai influenciar no seu jeito de orar daqui para frente?
     Qualquer dúvida entre em contato conosco, enviando sua dúvida através do quadro chamado “Formspring”, localizado na parte inferior desta página, ou participe da nossa comunidade no Orkut, acessando este link http://bit.ly/9D3AJJ.

Pedro M. A. Júnior MSN: jcservo@hotmail.com TWITTER: @jcservo

Postagens mais visitadas deste blog

O Crente Tíquico

Deus existe sim! Argumentos sobre a existência de Deus.

Dúvida bíblica: Qual a diferença entre alma e espírito?